PETZ LANÇA E-COMMERCE PARA CACHORROS ‘ESCOLHEREM’ SEUS PRESENTES

PETZ LANÇA E-COMMERCE PARA CACHORROS ‘ESCOLHEREM’ SEUS PRESENTES

A Petz, rede de petshop  e produtos para cães, gatos e outros animais domésticos, lançou um sistema de reconhecimento facial para cachorros que vai identificar, com base em cada pet, qual produto mais agrada ao animal. Chamado de Pet-Commerce, o projeto permite que o cachorro interaja com o site e, a partir do que a câmera captar, a tecnologia de inteligência artificial identifica se o animal de estimação se interessou ou não por determinado produto. A ação foi criada pela Ogilvy Brasil e desenvolvida pelas empresas D2G Tecnologia e Hogarth.

A partir de agora, quem acessar o site da Petz vê um banner, que remete ao Pet-Commerce. É preciso que a câmera do aparelho com acesso à internet capte toda a face do cachorro. Assim, a inteligência artificial consegue identificar o nível de interesse para a compra de determinado produto, que é representado por um gráfico de ossinhos que vão sendo preenchidos.

Para desenvolver a ideia, a Ogilvy contou com a ajuda da D2G Tecnologia e Hogarth, duas empresas encarregadas de criar todo o aparato tecnológico necessário para o e-commerce. Afinal, o fato de o público-alvo da página não ser o tradicional shopper humano exigiu mudanças e adaptações.

O sistema tecnológico do Pet Commerce baseia-se em reconhecimento facial e inteligência artificial. A câmera do celular ou do notebook capta as reações dos cães perante o site e, por meio de códigos e dados inseridos a respeito do comportamento animal, consegue indicar quais produtos e itens despertaram mais atenção, curiosidade e quais foram mais desejados pelos bichos. Veja no vídeo abaixo como funciona.

Antes do Pet Commerce ser levado ao ar, no entanto, a agência e a rede de pet shop fizeram testes com centenas de cães. A tecnologia foi testada com centenas de cachorros de várias raças, com mais de 80% de precisão. Apesar disso, é importante destacar que cada cachorro tem características e comportamentos distintos e isso faz com que as reações sejam variadas.

Para que o projeto fosse viável, a Ogilvy e as duas empresas de tecnologia criaram todo um novo padrão de user experience (na verdade, dog experience) para munir o sistema com imagens faciais de cachorros de diferentes raças. As diferenças sensoriais que os animais possuem em relação aos humanos foram levadas em consideração. O Pet Commerce possui uma escala de cores em tons de amarelos e azuis, que fazem parte dos tons que são detectados pelos olhos dos cães.

Além disso, todos os produtos são apresentados em movimento (vídeo), uma vez que as imagens estáticas não despertariam o apetite de compra dos pets. Todo esse processo contou com o apoio e orientação do adestrador de cães Leonardo Ogata.

Fonte: Portal Uai



Artigos Relacionados

OS PLANOS DA BRMALLS PARA CRESCER NO OUT-OF-HOME.

A aquisição da Helloo, empresa especializada em comercialização de mídia digital em elevadores residenciais, pela BRMalls, anunciada na semana passada, tem a proposta de colocar o grupo de shoppings centers de forma mais consolidada no universo dos veículos de comunicação ao explorar a possibilidade de colocar as […]

SETE INICIATIVAS QUE VÃO MUDAR O FUTURO DO TRABALHO

Podemos dizer que 2020 é o ano das transformações e muitas delas foram provocadas pela chegada da COVID-19. Neste contexto, a tecnologia ganhou um […]

VENDAS VIA INFLUENCIADORES GERAM MAIS DE R$100 MILHÕES PARA MARCAS.

A LTK, plataforma de monetização de conteúdo para influenciadores, observou um aumento de 172% no número de criadores que geram receita e já impulsionou mais de R$ 100 milhões em receita para marcas parceiras do Brasil. Até o final de 2021, a LTK prevê alcançar a marca dos R$ 200 milhões. De acordo com a nota enviada à imprensa […]