PUBLICIDADE NOS MARKETPLACES DEVE CRESCER 550% ATÉ 2023.

IMAGEM-PUBLICIDADE-NOS-MARKETPLACES-DEVE-CRESCER-550-ATE-2023
Plataforma digital tem ganhado espaço nas estratégias de anúncio de grandes marcas (Divulgação)

Enext, empresa do grupo WPP focada em soluções para negócios digitais, fez estudo que revela uma previsão de crescimento de 550% no investimento de publicidade nos marketplaces brasileiros até 2023, chegando uma receita total de R$ 2,6 bilhões. Segundo análise, o resultado é bem acima dos números alcançados no ano passado, quando foram investidos R$ 400 milhões em ações de marketing neste canal.

O relatório também indica que, se as expectativas forem atingidas, o montante investido representará mais de 10% dos gastos com marketing digital das empresas, e ainda que cerca de 60% das vendas no varejo serão influenciadas de alguma maneira pelos marketplaces digitais. 

Como a demanda aquecida por estratégias de publicidade nos marketplaces já vem sendo notada pela Enext desde o ano passado, a empresa conseguiu traçar estratégias que levaram seus clientes a crescerem mais 350% acima do mercado, que apresentou crescimento de 122% em 2020, de acordo com o indicador de ecommerce da Câmara Brasileira da Economia Digital e da empresa Neotrust. “Sabemos que esse aumento vem de acordo com o interesse das marcas em anunciar produtos na plataforma. Apenas em 2020 desenvolvemos diversas campanhas, entre elas para a Colgate, Bauducco, BMW, Jequiti, Stanley Black & Decker, entre outras”, comenta Gabriel Lima, CEO da Enext.“Sabemos que esse aumento vem de acordo com o interesse das marcas em anunciar produtos na plataforma. Apenas em 2020 desenvolvemos diversas campanhas, entre elas para a Colgate, Bauducco, BMW, Jequiti, Stanley Black & Decker, entre outras”, comenta Gabriel Lima, CEO da Enext.

Segundo o executivo, essa é uma tendência que as marcas precisam adotar daqui para frente como estratégia de vendas, grandes exemplos são a Amazon Ads que já é a terceira maior mídia digital dos Estados Unidos, com participação de 9% do investimento total em marketing digital no último ano, e o Alibaba que é a maior mídia digital da China, ambos marketplaces.

O e-commerce já tinha a função de conversão em vendas. Os marketplaces, por outro lado, oferecem uma visibilidade maior dos produtos, os consumidores não utilizam mais os tradicionais sites de buscas, preferem procurar direto nas plataformas para encontrar o que precisam. Isso acontece porque os marketplaces possuem uma grande base de consumo, o que resulta numa assertividade maior na segmentação das campanhas, atendendo o interesse real de compra.

“Essa prática tende a impulsionar ainda mais as vendas. É bom tanto para os sellers, que buscam visibilidade para os seus produtos, quanto para para o próprio marketplace”, avalia.

Fonte: Propmark



Artigos Relacionados

IDOSOS ESTÃO UTILIZANDO CADA VEZ MAIS O COMÉRCIO ONLINE

Engana-se quem pensa que o comércio eletrônico ainda se restringe ao público jovem. A modalidade se mostra cada vez mais consolidada e, de acordo com pesquisa […]

RECOMENDAÇÕES AOS LOJISTAS PARA REABERTURA SEGURA DO COMÉRCIO

Para orientar os lojistas diante da abertura parcial do comércio, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) criou uma cartilha com recomendações. O documento contém procedimentos necessários de prevenção ao coronavírus e visa ajudar as empresas da capital que reabrem suas portas.
Manter o ambiente de trabalho com ventilação adequada, sempre que possível deixando portas e janelas abertas e não permitir […]

NA MULTIPLAN, A NOVA GERAÇÃO TEM O DESAFIO DE CONSTRUIR O SHOPPING DO FUTURO

Daniel Peres Chor costuma brincar que, desde que se conhece por gente, sua família tem três assuntos: política, remédios e shopping […]