Vendas do varejo brasileiro registraram crescimento de 7,5% em novembro.

Segundo índice Mastercard SpendingPulse, destaque foram Combustíveis, Restaurantes, Materiais de Construção e Supermercados.

vendas-varejo-lojas-shopping-shutterstock_1740854663-scaled
Imagem: Shutterstock

As vendas totais no varejo brasileiro registraram um crescimento de 7,5% ano a ano em novembro, de acordo com o índice Mastercard SpendingPulse, que mede as vendas nas lojas físicas e no varejo online para todas as formas de pagamento.

Os setores de Combustíveis (+42,6%), Restaurantes (+19,5%), Materiais de Construção (+11%) e Supermercados (+10,8%) superaram a taxa de crescimento das vendas totais no varejo, enquanto em Móveis e Eletrônicos (-10%), Móveis para Casa (-6,6%) e Artigos de Uso Pessoal (-1,7%), o crescimento das vendas no varejo foi menor na comparação com o mesmo período do ano passado.

Em termos de vendas totais nas regiões, Norte (+14,7%), Centro-Oeste (+9,7%), Sul (+9,4%) e Nordeste (+8,2%) superaram as demais regiões do país, enquanto no Sudeste (+6,3%), o desempenho foi inferior ao crescimento das vendas nacionais.

Vendas no comércio eletrônico

Como resultado do rápido crescimento do e-commerce experimentado no ano passado, as vendas do comércio eletrônico no Brasil diminuíram -16,5% em comparação com novembro de 2020.

Nos critérios do Mastercard SpendingPulse, as vendas no comércio eletrônico são vendas de bens e serviços nas quais os compradores fazem um pedido ou o preço e os termos da venda são negociados pela internet, em um dispositivo móvel (M-commerce), Extranet, rede EDI (Electronic Data Interchange), correio eletrônico ou outro sistema online comparável. O pagamento pode ou não ser feito online.

Comparativo ano a dois anos

Para uma melhor compreensão do que significam esses números, a comparação com 2019 revela índices interessantes para análise: as vendas totais no varejo cresceram +19,1% no comparativo ano a dois anos e as vendas de e-commerce aumentaram +39,7%quando comparadas com o mesmo mês de 2019.

“Essa comparação com o período pré-pandêmico nos fornece insights relevantes para analisar as preferências de consumo dos brasileiros. Ao nos aproximarmos do fechamento de 2021, podemos constatar que o e-commerce realmente passou a fazer parte dos hábitos de consumo – e, quando comparado ao cenário de vendas de 2019, está em constante crescimento. Tal comportamento era esperado, porque depois que os brasileiros experimentaram a praticidade, segurança e facilidade com as compras online, fica mais difícil abandoná-las”, afirma Estanislau Bassols, gerente-geral da Mastercard Brasil.

Fonte: Mercado & Consumo

Imagem: Shutterstock



Artigos Relacionados

VENDAS VIA INFLUENCIADORES GERAM MAIS DE R$100 MILHÕES PARA MARCAS.

A LTK, plataforma de monetização de conteúdo para influenciadores, observou um aumento de 172% no número de criadores que geram receita e já impulsionou mais de R$ 100 milhões em receita para marcas parceiras do Brasil. Até o final de 2021, a LTK prevê alcançar a marca dos R$ 200 milhões. De acordo com a nota enviada à imprensa […]

ADOBE LANÇA VERSÃO 3D DO CREATIVE CLOUD SUITE, INCLUINDO ‘3D PHOTOSHOP’.

A Adobe lançou uma versão da Creative Cloud Suite com o enfoque em trabalhos com animação 3D. Se as animações tridimensionais digitais se tornaram muito mais populares nos últimos anos, os novos softwares da Adobe prometem dar um […]

DEPOIS DA AJUDA EMERGENCIAL, EMPRESAS DEVEM FOCAR EM MUDANÇAS SISTÊMICAS

Nada será como antes. Quem ainda se apega a essa ideia está se autoiludindo. A revelação de nossa fragilidade como sociedade é uma descoberta poderosa e impactante. A incerteza sobre o futuro, a percepção de interdependência e corresponsabilidade, o medo que não respeita fronteiras sociais, o paradoxo do isolamento que gera mais conectividade entre as pessoas, a […]