Vendas do varejo brasileiro registraram crescimento de 7,5% em novembro.

Segundo índice Mastercard SpendingPulse, destaque foram Combustíveis, Restaurantes, Materiais de Construção e Supermercados.

vendas-varejo-lojas-shopping-shutterstock_1740854663-scaled
Imagem: Shutterstock

As vendas totais no varejo brasileiro registraram um crescimento de 7,5% ano a ano em novembro, de acordo com o índice Mastercard SpendingPulse, que mede as vendas nas lojas físicas e no varejo online para todas as formas de pagamento.

Os setores de Combustíveis (+42,6%), Restaurantes (+19,5%), Materiais de Construção (+11%) e Supermercados (+10,8%) superaram a taxa de crescimento das vendas totais no varejo, enquanto em Móveis e Eletrônicos (-10%), Móveis para Casa (-6,6%) e Artigos de Uso Pessoal (-1,7%), o crescimento das vendas no varejo foi menor na comparação com o mesmo período do ano passado.

Em termos de vendas totais nas regiões, Norte (+14,7%), Centro-Oeste (+9,7%), Sul (+9,4%) e Nordeste (+8,2%) superaram as demais regiões do país, enquanto no Sudeste (+6,3%), o desempenho foi inferior ao crescimento das vendas nacionais.

Vendas no comércio eletrônico

Como resultado do rápido crescimento do e-commerce experimentado no ano passado, as vendas do comércio eletrônico no Brasil diminuíram -16,5% em comparação com novembro de 2020.

Nos critérios do Mastercard SpendingPulse, as vendas no comércio eletrônico são vendas de bens e serviços nas quais os compradores fazem um pedido ou o preço e os termos da venda são negociados pela internet, em um dispositivo móvel (M-commerce), Extranet, rede EDI (Electronic Data Interchange), correio eletrônico ou outro sistema online comparável. O pagamento pode ou não ser feito online.

Comparativo ano a dois anos

Para uma melhor compreensão do que significam esses números, a comparação com 2019 revela índices interessantes para análise: as vendas totais no varejo cresceram +19,1% no comparativo ano a dois anos e as vendas de e-commerce aumentaram +39,7%quando comparadas com o mesmo mês de 2019.

“Essa comparação com o período pré-pandêmico nos fornece insights relevantes para analisar as preferências de consumo dos brasileiros. Ao nos aproximarmos do fechamento de 2021, podemos constatar que o e-commerce realmente passou a fazer parte dos hábitos de consumo – e, quando comparado ao cenário de vendas de 2019, está em constante crescimento. Tal comportamento era esperado, porque depois que os brasileiros experimentaram a praticidade, segurança e facilidade com as compras online, fica mais difícil abandoná-las”, afirma Estanislau Bassols, gerente-geral da Mastercard Brasil.

Fonte: Mercado & Consumo

Imagem: Shutterstock



Artigos Relacionados

COPACABANA GANHA PEGADAS GIGANTES NA AREIA EM INTERVENÇÃO DA JOHNNIE WALKER

Na última sexta-feira, dia 12, estreou no catálogo da Prime Video o documentário “The Man Who Walked Around the World”, dirigido por Anthony Wonke e que conta a história […]

Investimentos em startups brasileiras chegam a US$ 9,4 bi em 2021.

Segundo Inside Venture Capital, relatório produzido pelo Distrito, o valor foi 2,5 vezes maior do que em 2020. Em 2021, as startups brasileiras receberam US$ 9,43 bilhões em investimentos, distribuídos em um total de 779 transações, de acordo com o mais recente Inside Venture Capital, relatório produzido […]