PUBLICIDADE AINDA CARECE DE REPRESENTATIVIDADE.

imagem-1-PUBLICIDADE-AINDA-CARECE-DE-REPRESENTATIVIDADE
Negros e pardos na propaganda ainda sofrem com estereotipagem (Crédito: Nadia Snopek/shutterstock)

A representatividade na publicidade já é pauta há um bom tempo, contudo ainda faltam ações que coloquem a discussão na prática. Segundo pesquisa da Elifegroup com a SA365, a virada de ano de 2019 para 2020 representou um aumento de 4% na inclusão de pessoas pretas e pardas na publicidade brasileira. Além disso, as empresas identificaram, por meio da análise de 1902 posts das 50 marcas dos 20 maiores anunciantes do País, que a inclusão desse grupo não aumentou em novembro — mês em que é celebrado o Dia da Consciência Negra. 

A análise foi feita entre os meses de janeiro e dezembro do ano passado no Instagram e Facebook. O mês de abril contou com 95 publicações e maio com 98. Segundo as companhias, o aumento pouco significativo continua sendo mais relevante do que a queda do número de pessoas pretas e pardas na publicidade em novembro, que registrou queda. O contraste com a representação de pessoas brancas no ambiente digital por parte das marcas é alto, com 74% dos posts representando essa amostra. 

Um dado que chama a atenção é a estereotipagem da figura da pessoa negra em propagandas. No período do Carnaval, é possível identificar um aumento dessa representatividade em campanhas que mostram imagens de mulheres negras durante as festividades. Além disso, mesmo que 48% dos posts do setor financeiro tenham representação, boa parte deles se destina à temática do auxílio emergencial, indicando que a população é vista sob o escopo da vulnerabilidade social e econômica. 

Segundo Aline Araújo, gerente de projetos da Elife, o estudo da presença de pessoas negras na comunicação passa por dois problemas: o da subrepresentação e a falta de protagonismo. “Certamente a imagem da marca é um reflexo da companhia e dos seus tomadores de decisões, por isso é tão importante trazer o debate sobre o assunto diretamente associado à representatividade dentro das empresas, sobretudo nos cargos de liderança”, declarou a executiva em comunicado. 

Contudo, também é possível notar avanços. O setor de higiene pessoal e beleza, sobretudo na publicidade de maquiagens e produtos para cabelo, inclui mulheres negras em suas postagens. As marcas do segmento têm voltado olhares para cabelos crespos, enrolados e ondulados, além de produtos destinados para a pele negra.

Fonte: Meio e Mensagem

*Crédito da imagem do topo: Lyonstock/shutterstock



Artigos Relacionados

A propaganda é a alma do negócio, cada dia mais e mais

A comunicação, incluída a publicidade e propaganda, é fundamental para estratégia dos negócios, sob dois aspectos: no alinhamento do processo

NO ARIZONA, MCDONALD’S ADOTA ARCOS AZUIS A PEDIDO DO GOVERNO LOCAL.

Existe um lugar no mundo no qual os icônicos arcos dourados do McDonald’s não são amarelos e sim azuis. Na cidade de Sedona, Arizona, o restaurante da rede segue um padrão imposto pelas autoridades locais […]

SKOL RETORNÁVEL: MARCA INCENTIVA NOVA VERSÃO PARA PROLONGAR A DIVERSÃO E ALIVIAR BOLSO.

A Skol apresenta a Skol Retornável, produto que permite ao consumidor trocar a garrafa vazia por uma cheia, pagando somente pela bebida. Além de economizar, o cliente […]