O PÚBLICO MAIS ESQUECIDO POR QUEM INOVA NO BRASIL, O CONSUMIDOR.

imagem-O-PUBLICO-MAIS-ESQUECIDO-POR-QUEM-INOVA-NO-BRASIL-O-CONSUMIDOR

Dia desses, ouvindo o Clubhouse, a nova plataforma queridinha da internet, um bate-papo escancarou a dificuldade das startups brasileiras criarem inovação de impacto para melhorar a experiência do consumidor. Em um primeiro momento, a afirmação pareceu mais uma provocação exagerada. De relance, é possível citar diversas empresas que trouxeram impacto real na vida dos consumidores (sem juízo de valor quanto ao futuro e à saúde desses negócios): Nubank, Banco Inter, Rappi, iFood, Enjoei, Méliuz. Um olhar mais cuidadoso, no entanto, mostra uma concentração de negócios em fintechs, delivery e varejo. Não há dúvida de que as startups que democratizam o acesso a serviços financeiros que são essenciais, assim como as plataformas de delivery que permitem movimentar a economia nesses tempos de lockdowns irregulares e home office forçado. Porém, há múltiplas tarefas, produtos e serviços que poderiam melhorar a experiência geral do consumidor no país.

“Faltam, no entanto, startups capazes de oferecer boas soluções e produtos para o grande mercado consumidor brasileiro.”

Fatores que inibem negócios B2C

Clayton Christensen, em sua extraordinária obra de consolidação de princípios inovativos, destrinchada em diversos livros e textos, sempre diz que uma startup, — uma empresa insurgente —, traz uma melhora leve, “boa o suficiente”, sobre o que já existe. O ciclo de inovação faz com que um produto ou serviço “bom o suficiente” comece a ganhar escala porque se propõe a realizar alguma tarefa melhor que os competidores normais.

Descobrir onde estão os pontos de melhoria – pontos de dor, zonas de fricção e atrito – é a tarefa a ser resolvida por times e processos ágeis de produção de inovação. Normalmente, quando essa inovação chega, ela causa estranheza, fica abaixo do radar, mas vai ganhando adeptos e, repentinamente, torna-se um negócio exuberante. Isso, claro, se o modelo de negócio for consistente e capaz de se provar, atravessando o “vale da morte”, o momento em que a startup ganha tração e realmente precisa devolver ao cliente a confiança recebida, bem como mostrar capacidade de ganhar mercado velozmente, o que redunda em novas rodadas de investimento.

Propor inovações para o mercado B2B é mais simples. Não por acaso, há muito mais startups voltadas para atender o mercado corporativo, oferecendo soluções e tecnologias que permitem melhorar e digitalizar processos, ganhar eficiência, reduzir custos e automatizar áreas de negócio, do que para os consumidores finais.

O investimento de entrada é menor. As próprias empresas se lançaram em uma busca constante por startups que complementem seus negócios e a abordagem é menos complexa, fatores que inibem sensivelmente a criação de negócios B2C.


Inovações e disrupções para melhorar a vida do consumidor brasileiro

Não faltam, contudo, pontos de fricção, produtos e serviços que não possam ser “disruptados” por empresas insurgentes. O mercado brasileiro está repleto de ineficiências, assimetrias e problemas que devem ser resolvidos por negócios inovadores.

Em saúde e educação privadas, por exemplo, as oportunidades são espantosas, tamanha a carência de boas ideias nos modelos existentes. As opções para o mercado de consumo, em bens de consumo não-duráveis também são expressivas. Na mobilidade urbana, jornada e experiência do cliente, serviços comunitários, entretenimento, serviços básicos, bem-estar, ecologia, não faltam segmentos e setores que demandam aprimoramentos, evoluções e inovações que tragam melhorias para o consumidor, independentemente de sua renda.

Melhorar a vida do consumidor brasileiro, é um desafio, uma causa, uma necessidade e até mesmo, um negócio promissor. Talvez o ecossistema de inovação ainda não tenha percebido esse potencial e talvez os investidores estejam procurando negócios de ganho mais rápido, com mais variáveis controláveis.

A era de startups que aceleram demais o negócio ao ganharem uma escala brutal ao mesmo tempo em que precisam consumir caixa de modo irracional, como Uber, WeWork, GrubHub, já passou. Ainda assim, confinar a inovação somente no quadrado B2B ou em poucos segmentos B2C, é perder a oportunidade de criar negócios com escala global a partir de um mercado de grande amplitude, justamente o nosso.

A evolução da experiência do cliente passa necessariamente por termos muito mais startups pensando e propondo inovações e disrupções para grandes massas de consumidores. O potencial de geração de riqueza, valor e oportunidade, a partir desse direcionamento, é incalculável.

Pense nisso, antes de criar a sua próxima startup.

Fonte: artigo de Jacques Meir, diretor-executivo de conhecimento no grupo Padrão, publicado em Whow Inovação!



Artigos Relacionados

INFOXICAÇÃO, CURADORIA DE CONTEÚDO E GESTÃO DE CONHECIMENTO: O QUE PRECISAMOS SABER PARA NÃO SERMOS SOTERRADOS.

Acredite: você lê, em média, o equivalente a 174 jornais a cada 24 horas. O número, que obviamente assusta, é cinco vezes maior […]

PUBLICIDADE, ATIVISMO E TECNOLOGIA

“Posicionem-se”. Esse foi o recado das urnas para as marcas, tema de um artigo meu neste espaço ainda no primeiro turno das eleições de 2018. Nas últimas semanas, ações relativas ao assassinato de George Floyd nos Estados Unidos, como a da Nike ou ainda mais impactantes como as dos canais da ViacomCBS, são uma amostra das decisões que os gestores de marketing terão que fazer à medida que avança o acirramento das […]

CONAR LANÇA GUIA PARA PUBLICIDADE COM INFLUENCIADORES

Para acompanhar os novos formatos de publicidade das mídias sociais, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) lança o Guia de Publicidade por Influenciadores Digitais. O documento foi […]