NESTLÉ QUER FAZER PÁSCOA CABER NO BOLSO DO CONSUMIDOR.

imagem-NESTLE-QUER-FAZER-PASCOA-CABER-NO-BOLSO-DO-CONSUMIDOR
Baton, uma das marcas que serão trabalhadas mais fortemente na Páscoa 2021 (Crédito: Reprodução)

Fabricantes de chocolate têm novamente um desafio para a Páscoa deste ano. Embora o produto entre na categoria alimentar, cujo varejo em geral não sofreu restrições – por ser concentrado em supermercados, hipermercados e atacarejos – os ovos de Páscoa, colombas e outros itens em destaque no período costumam ser itens presenteáveis nessa data do varejo e a limitação de contato físico entre as pessoas após a pandemia continua sendo uma questão.

Amanda Freitas, gerente de marketing Nestlé, recorda que ano passado a indústria foi pega de surpresa quando já estava com os ovos expostos nas lojas físicas e o plano de e-commerce existia, mas era pequeno e lá mesmo já teve de haver uma virada de chave e o crescimento das vendas online foi grande. Uma vez que o planejamento de portfólio e ações para a data todo ano demora em média 12 meses, isso significa que ao acabar uma, ela e sua equipe já estavam pensando e tomando decisões para 2021.

Elevar o investimento no e-commerce foi uma dessas decisões. “Sempre pensamos muito em inovação, sabores diferentes, e este ano foi ‘como levar nossas principais marcas ao consumidor, não deixar os itens faltarem, sabendo que ele ainda não deve presentear, pois não haverá muitos encontros”, conta a executiva.

Com isso, o pensamento inovador ficou mais direcionado em distribuição e logística, assim como na construção de um portfólio com flexibilidade de preços, em que são destaques os ovos Baton, Alpino, Talento e KitKat. Entre as novidades em produto, Baton tem opções ao leite, branco e um com formulação zero lactose para a linha infantil, atendendo a uma demanda de pais com filho intolerantes à lactose. A linha infantil, da qual fazem parte também os chocolates Surpresa – ao Leite e Unicórnio com chocolate branco e confeitos coloridos na casca – e Buttons exploram games interativos por meio de um QR Code em suas embalagens.

O portfólio vai de itens pré-Pascoa, de impulso, como coelhinhos e mini ovos de chocolate, que vão de R$ 2,99 a R$ 14,99 até chegar aos ovos, com variação de R$ 32,90 a R$ 46,90. “Oferecemos opções diferentes de desembolsos, para todo mundo conseguir ter um item, de acordo com sua necessidade”, pondera Amanda.

Enquanto a categoria chocolates, com as marcas Nestlé e Garoto, já começou a ser trabalhada em tv, o digital, focado em performance e em ovos de Páscoa em si, ganhará volume a partir da segunda e terceira semanas de março, quando os consumidores já estarão, segundo Amanda, já no “mood” da data. Como a Páscoa este ano será dia 4 de abril, o maior investimento será na última semana de março, inclusive no PDV. “O e-commerce cresceu muito, mas ainda não está igual ao varejo físico”, argumenta a gerente de marketing.


Hábitos da pandemia

Além disso, a pandemia representou uma mudança importante de comportamento dos consumidores envolvendo a categoria: a compra de chocolate, antes uma indulgência mais impulsiva, acabou entrando mais nas compras planejadas.

Segundo pesquisa feita pelo C. Lab (laboratório interno de pesquisas da Nestlé), 51% das pessoas aumentaram as compras de chocolates nos últimos meses, tanto pela busca de sabor e conforto emocional quanto pela tendência de lanches intermediários. Antes, o consumo fora do lar representava até 70% e 30% diziam respeito à compra planejada (para compartilhar e presentear), agora, os números se inverteram: 70% é de compra planejada e consumo no lar. Esse crescimento foi acelerado pelo online e entrega expressa.

Além disso, comenta Amanda, o preparo de alimentos dentro do lar e a cozinha para alguns virando hobby durante a quarentena – sendo que 53% pretendem continuar cozinhando mesmo após o fim da pandemia -, também elevou o consumo de chocolate.

Com tudo isso, os investimentos que cresceram no digital, estão sendo mantidos nos PDVs, com aumento de cuidados em relação a colaboradores próprios e terceiros na higienização e protocolos contra o coronavírus. Para a Páscoa 2021, foram contratados 370 colaboradores terceiros. Sem citar números, Amanda Freitas, afirma que a Nestlé tem “grandes expectativas para 2021”, uma vez que a companhia já está mais preparada e adaptada ao cenário.

Fonte: Meio e Mensagem



Artigos Relacionados

EMPREGUEAFRO E FACEBOOK SE UNEM POR PROFISSIONAIS NEGROS.

Com o objetivo de acelerar a carreira de profissionais negros e, assim, colocá-los em posições de liderança, o Facebook e a EmpregueAfro desenvolveram o Projeto Goma, que se trata de um hub com material gratuito e online que reforça a importância do desenvolvimento de carreiras desse grupo e fornece ferramentas necessárias para […]

ADAPTAÇÃO, EQUILÍBRIO E ALIANÇAS ESTRATÉGICAS: HABILIDADES PARA VENCER NO MUNDO PÓS-CRISE

Como em todo processo evolutivo, existem as espécies que se extinguem e aquelas que resistem. Não à toa, estamos falando em Camelos, ao invés de Unicórnios! Mas engana-se quem pensa que já podemos prever o que virá, com base nos impactos […]

QUASE 90% DAS EMPRESAS CARECEM DE GESTÃO DE CRISE, APONTA ESTUDO.

Um estudo recente realizado pelo Grupo Daryus, empresa de consultoria e treinamentos em Gestão de Riscos […]