Até 2028, 33% dos gastos com e-commerce serão transfronteiriços

De acordo com um novo estudo da Juniper Research, o valor do e-commerce transfronteiriço (comércio internacional) ultrapassará US$ 3,3 trilhões em 2028.

Em 2023, por exemplo, espera-se que esse número seja de US$ 2,1 tri. Em relação às transações realizadas no e-commerce transfronteiriço, o crescimento global deverá ser de 107% nos próximos cinco anos.

O motivo, segundo a pesquisadora, seria o aumento da renda disponível nos mercados em desenvolvimento, que contribui para que varejistas e todo o setor de e-commerce voltem-se ao e-commerce transfronteiriço. Nesse período, a estimativa é de que as transações domésticas cresçam 48%.

Um dado interessante: a prevalência de métodos de pagamento alternativos em mercados em desenvolvimento, como dinheiro móvel, obriga os e-commerces transfronteiriços à adoção dessas preferências. Caso contrário, segundo o estudo, o risco de perda de vendas a empresas rivais é iminente.

E-commerce transfronteiriço é tendência global

Grande parte do crescimento no mercado de pagamentos de e-commerce está na área internacional. Isso se deve à rápida expansão dos principais mercados e como eles se diferenciaram. Recentemente, Nubank e EBANX fecharam uma parceria de meios de pagamentos para otimizar o comércio transfronteiriço.

O marketplace JD.com, por exemplo, fornece prazos de entrega rápidos graças à sua forte rede de logística. AliExpress, contudo, oferece produtos consideravelmente mais baratos que compensam os prazos de entrega mais longos do que o preferido para os consumidores.

Nos casos de Amazon, Rakuten e Mercado Livre, o diferencial está nos serviços de valor agregado, como streaming e serviços financeiros integrados. Como recomendação, os marketplaces devem oferecer uma experiência de consumo diferenciada para serem bem-sucedidos, assim como agregar valor aos comerciantes.

Marketing deve focar mídia social no e-commerce transfronteiriço

A pesquisa descobriu que, em um cenário de publicidade cada vez mais dominado pela mídia social, os principais fornecedores estão efetivamente comercializando diretamente para os consumidores.

Portanto, engajar de maneira direta os consumidores digitais é uma estratégia central para competir com os comerciantes domésticos. Vale identificar corretamente as mídias sociais e os canais de publicidade digital de cada mercado. Do contrário, são grandes as chances de perder vendas para consumidores com experiência em tecnologia.

Segundo um estudo da Nuvei, o Brasil lidera 72% do e-commerce transfronteiriço entre América Latina e Europa. Este ano, a estimativa é de que a participação de europeus no e-commerce transfronteiriço na América Latina seja de cerca de US$ 1 bilhão, o equivalente a 2%. O estudo completo (e pago) da Juniper Research pode ser adquirido aqui.

Fonte: Ecommerce Brasil



Artigos Relacionados

ESTUDO DELOITTE/CENP: IMPACTO SOCIOECONOMICO DA PUBLIDADE.

Cada real investido em publicidade em 2020 gerou 8,54 reais para a economia brasileira. A conclusão é do estudo “O valor da publicidade no Brasil”, encomendado pelo CENP à Deloitte e que já foi feito no Reino Unido e outros países. “O efeito multiplicador do investimento em publicidade já é bem conhecido tanto pelos anunciantes quando pelos estudiosos […]

O que esperar de Cannes este ano

      O “vovô” continua mandando muito bem, agregando conteúdo mais diversificado por: Alexis Thuller Pagliarini      Quando você estiver