A INCERTEZA DO SISTEMA HOME OFFICE

A INCERTEZA DO SISTEMA HOME OFFICE

Uma das muitas discussões do mercado publicitário brasileiro (e de outros países) neste momento ainda ameaçador de uma pandemia com um número assustador de vítimas reside em torno da preservação do sistema home office. Não restam dúvidas que para o momento, assim como foi para o passado recente, tratou-se e trata-se de uma solução que só merece aplausos, por reduzir sensivelmente o risco da contaminação entre as pessoas, além de valorizar de forma extrema os cuidados de higiene que cada profissional preserva em sua residência.

Porém, há que se discutir e muito ainda, uma vez finda a pandemia, se a manutenção desse sistema de trabalho ajudará o mercado como um todo. Já há quem fale na economia que a preservação do home office proporcionará a muitas agências, que em um outro momento lá atrás, quando o coronavírus ainda não nos havia sido apresentado, elegiam sedes suntuosas, em edifícios de grife dos bairros chiques das grandes cidades, transformando-as em um ponto a mais para a conquista de grandes contas.

O coronavírus, que tanta gente já vitimou, obrigou e prossegue obrigando dirigentes de grandes corporações publicitárias a rever esse tipo de pensamento, mudando, porém, de uma ponta a outra a expectativa do local de trabalho do seu pessoal, quando cessar a pandemia.

Não se defende aqui a manutenção e o retorno a suntuosas edificações, mas também não podemos admitir que a “descoberta” do home office seja uma solução definitiva e extremamente lucrativa para as agências.

Já o dissemos aqui que se trata de uma solução emergencial, diante do que ainda prossegue ocorrendo, principalmente nas grandes metrópoles.Mas há que se considerar, uma vez cessado 100% o perigo, que algumas funções dentro das agências podem até prosseguir com seus operadores em home office, mas isso não deve valer para todo o conjunto da empresa (agência), onde o dia a dia a obriga a receber centenas de profissionais de outras corporações, inclusive clientes, para oferecerem seus préstimos ou tão somente acompanharem o nascimento de grandes campanhas.

Todos sabemos a diferença que há entre a comunicação presencial e aquela exercida pelos meios eletrônicos. Sob esse aspecto, basta imaginar a grande dificuldade dos meios em apresentar boas situações de programação à equipe da agência que atende determinada e importante conta publicitária.

As melhores campanhas da W/Brasil, segundo o próprio Washington Olivetto, foram criadas em meio à balburdia então existente na agência, colaborando para o aproveitamento de uma ideia diferente, sobre a qual o pessoal da agência ainda não havia refletido. A forma de se criar comunicação, principalmente a publicitária, não pode ocorrer no silêncio das catedrais. Quem conhece como surgiram os melhores trabalhos publicitários premiados em Cannes sabe do que estamos falando.

O jornalista e empreendedor Marcio Ehrlich, sediado no Rio de Janeiro, já está preparando o material para o lançamento do Colunistas deste ano, que devido a toda essa situação de mercado acima descrita poderá apresentar algumas diferenças fundamentais em relação ao próprio passado recente dessa tradicional premiação do mercado publicitário brasileiro, realizada pelo PROPMARK.

Como se sabe, as inscrições de trabalhos em todas as seis regionais do Colunistas são pagas. E este ano, devido a tudo o que já sabemos a respeito, um dos setores que mais tem sofrido com a pandemia é o publicitário. Isso significa que muitas agências no Brasil inteiro diminuirão suas inscrições, com algumas regionais até mesmo deixando de competir por falta de recursos.

De qualquer forma, o Colunistas será realizado e, se dentre as seis regionais que compõem o mercado publicitário brasileiro, com vistas ao Colunistas, duas ou três não puderem concorrer por falta de recursos, mesmo assim a premiação será realizada, na certeza de que São Paulo e Brasília, por exemplo, promoverão suas inscrições de trabalhos, por entenderem a importância de vencer em uma das mais tradicionais premiações do gênero no país.

Lembramos que do Colunistas saíram peças e campanhas que depois seguiram a Cannes retornando com muitos Leões dentre as bagagens dos seus responsáveis.

Caso ocorra de termos apenas essas duas regionais (São Paulo e Brasília) participando do Colunistas este ano, é provável que a finalíssima Brasil poderá não ocorrer, mas isso ainda será decidido mais adiante, quando o mercado por certo apresentará reações positivas que ainda aguardam dias melhores.

É inegável, porém, que o Colunistas é uma das mais importantes premiações publicitárias do nosso país, situando-se entre as pioneiras e ajudando os diversos mercados dos nossos 8,5 milhões de quilômetros quadrados a melhor se utilizar do ferramental publicitário.

Sem querer fazer qualquer comparação com o certame publicitário que prossegue sendo o mais famoso e importante do planeta, no início deste ano, tão logo o coronavírus começou a agir, dizia-se largamente que seria impossível, dentre outras possibilidades, termos o Cannes Lions em junho.

Pois bem: de fato ele não ocorreu como sempre, mas seus organizadores promoveram um revival da última década, premiando grandes destaques desse período, inclusive com destaque para Luiz Sanches, da AlmapBBDO, pelo seu mérito e pelo mérito da sua agência em ocupar lugar de destaque no famoso festival, nestes últimos anos.

Várias vezes Agência do Ano no mais famoso festival publicitário do planeta, a AlmapBBDO sempre se preocupou, acima de tudo, com a qualidade da sua criação, produzindo, graças a esse tipo de postura, campeões de vendas entre os seus clientes.

O começo dessa história, que empresarialmente pertenceu à família Alcantara Machado, teve no fincamento da estaca da criação, logo nos primeiros tempos da agência, a razão maior do seu sucesso, que faz questão de manter até hoje. E essa estaca, fazemos nossas honras e reconhecimento a ele, foi cuidadosamente tratada por um dos maiores gênios da criação publicitária brasileira. Falamos de Alex Periscinoto, vivo e inesquecível para várias gerações.

Além de criar trabalhos publicitários inesquecíveis, Alex teve ainda o raro dom de formar criativos exuberantes, que não se limitaram e não se limitam apenas ao seu trabalho criativo, mas também acentuam com palavras lições que o mercado não esquece.

No último Cannes Lions (2019), por exemplo, Luiz Sanches deu ao então editor e repórter Fernando Scheller, à época no Estadão, uma entrevista inesquecível, da qual destacamos a frase com a qual o editor intitulou a matéria: “As marcas precisam virar tópico de conversa”. Não será em home office definitivo que isso ocorrerá.

Fonte: Artigo de Armando Ferrentini publicado na Propmark

Crédito da imagem: vectorstock.com



Artigos Relacionados

FAKE NEWS: A IMPORTÂNCIA DE IDENTIFICAR QUEM IMPULSIONA PUBLICIDADE NAS REDES SOCIAIS

As “Fake News” existem há séculos, desde que a humanidade se comunica por gestos, pela fala ou pela escrita e, dificilmente, […]

HOTMART RECEBE APORTE DE R$ 735 MILHÕES E REFORÇA STATUS DE UNICÓRNIO.

A Hotmart Company, empresa de tecnologia líder global que oferece a criadores de conteúdo uma plataforma para criar, gerenciar e crescer negócios digitais, anunciou hoje que recebeu um aporte de R$ 735 milhões […]

VOCÊ SABE O QUE SÃO AS ORGANIZAÇÕES ORGÂNICAS?

Há múltiplas estruturas organizacionais e modelos de gestão que trazem às empresas sistemas horizontais e colaborativos, como management 3.0, holacracia e sociocracia 3.0. Junto deles está o conceito de […]