5 SETORES QUE A AMAZON QUER DISRUPTAR EM CINCO ANOS.

imagem-1-5-SETORES-QUE-A-AMAZON-QUER-DISRUPTAR-EM-CINCO-ANOS

Desde a décadas de 90, a Amazon vem disruptando o mercado. Tudo começou com um comércio on-line de livros. Depois, a loja virtual passou a oferecer outros produtos, como brinquedos, vestuário e eletrônico. Hoje, a big tech atua também com serviços de armazenamento em nuvem (Amazon Web Services), streaming de filmes e séries (Amazon Prime) e assistente virtual (Alexa).

A empresa continua encontrando oportunidades em setores que seriam impensáveis ​​para a Amazon varejista alguns anos atrás. Todas, no entanto, levam em conta a experiência em logística da cadeia de suprimentos complexa da companhia e a sua vantagem competitiva na coleta de dados.

Atenta ao movimento da big tech, a plataforma americana CB Insights listou cinco setores que a companhia vai disruptar nos próximos anos.


1. Farmácias

Grandes redes americanas de farmácias como Walgreens e CVS já viram suas receitas de varejo serem afetadas pela loja on-line da Amazon, que vende de tudo. Agora, a gigante da tecnologia está empenhada em atrapalhar o negócio principal dessas redes: distribuição de medicamentos.

Em 1999, a Amazon comprou 40% da Drugstore.com, mas a companhia ainda se escondia do mercado farmacêutico. Bom, até 2016, quando recebeu suas primeiras licenças para vender produtos farmacêuticos e medicamentos de vários conselhos estaduais nos Estados Unidos.

Em 2018, a empresa fez mais um movimento para se firmar nesse setor ao comprar a PillPack em um negócio de cerca de US$ 750 milhões. A compra do PillPack foi o primeiro movimento significativo da Amazon não apenas contra as grandes redes de drogarias, mas também contra os poderosos gerentes de benefícios farmacêuticos (PBMs), que gerenciam a distribuição de medicamentos para os principais empregadores na cadeia de suprimentos de saúde.


2. Empréstimo para pequenas empresas

A Amazon deu seus primeiros passos em empréstimos para empresas em 2011, quando começou a oferecer crédito para pequenos negócios que participavam de seu Amazon Marketplace. Isso acontece ainda hoje por meio de seu braço de negócio Amazon Lending. 

Atualmente, esta iniciativa oferece empréstimos a pequenas empresas que variam de US$ 1.000 a US$ 750.000 para comerciantes qualificados com planos de reembolso de três a 12 meses. A companhia ganha dinheiro cobrando juros sobre os empréstimos – taxas de 6% a 19,9% ao ano, dentro da faixa das taxas médias de outros credores on-line e alternativos.

Os vendedores que desejam participar do programa Amazon Lending devem ser convidados, o que significa que nem todos do Amazon Marketplace podem solicitar um empréstimo. A big tech estende esses convites com base em uma avaliação algorítmica do negócio de um comerciante, desde a popularidade de suas mercadorias até seus ciclos de estoque, entre outros.

A Amazon tem um grande número de vendedores independentes – oito milhões em 2019, segundo o. CB Insights – que usam sua plataforma, e as informações sobre a saúde financeira dessas empresas é útil para construir uma plataforma de empréstimos atraente.


3. Cumprimento e entrega

Para a Amazon, vender produtos é apenas parte do trabalho. O que realmente importa é levar esses itens aos clientes, o que envolve logística de atendimento, processo de armazenamento de estoque, embalagem de pedidos e envios. Para fazer isso de forma eficaz, é necessário um investimento significativo em rastreamento de estoque, atendimento e tecnologia de entrega.

A remessa é um dos maiores e mais importantes centros de custo para a Amazon e a empresa se orgulha de sua entrega rápida.

No entanto, a companhia costumava depender quase inteiramente das empresas de transporte UPS e FedEx, bem como do serviço postal dos Estados Unidos, para fazer as remessas, tirando totalmente essa parte do negócio de suas mãos.

Na última década, a Amazon tem investido pesadamente em seus recursos de logística e entrega, tentando melhorar a velocidade e a eficiência do processo de envio para reduzir sua dependência de fornecedores de logística terceirizados.

De 2014 a 2018, a empresa aumentou sua infraestrutura logística nos Estados Unidos em quase três vezes.


4. Supermercado on-line

imagem-2-5-SETORES-QUE-A-AMAZON-QUER-DISRUPTAR-EM-CINCO-ANOS

A empresa continua encontrando oportunidades em setores que seriam impensáveis ​​para a Amazon varejista alguns anos atrás. Imagem: Simon Bak Unsplash

Em 1998, Jeff Bezos começou a investir em startups promissoras tentando colocar o supermercado on-line. A maioria foi à falência, mas a experiência semeou uma ambição futura da companhia.

Uma década depois, a Amazon contratou quatro executivos para voltar a se dedicar à mercearia on-line. Hoje, esse projeto, chamado Amazon Fresh, está entregando mantimentos de seus próprios depósitos e lojas Whole Foods em duas horas.

Atualmente, os mantimentos on-line representam uma das maiores oportunidades no varejo. Muitos consumidores adotaram a compra de alimentos on-line, especialmente porque a pandemia da Covid-19 incentiva novos usuários a experimentarem a entrega de alimentos on-line para reduzir a exposição pessoal.


5. Pagamentos

A empresa vem construindo uma presença no mercado de pagamentos há anos, com produtos que incluem o Amazon Pay (sistema de gerenciamento de pagamento integrado); Amazon Cash (que permite aos consumidores depositarem dinheiro sem nenhuma taxa em uma conta on-line da Amazon); cartões de débito / crédito Visa da Amazon; Amazon Reload (que permite aos membros do Amazon Prime transferir dinheiro de seus bancos para suas contas da Amazon para criar um saldo); e Amazon Go (uma mercearia sem caixa onde os consumidores podem simplesmente entrar, pegar os itens da prateleira e depois sair).

A lógica por trás desse tipo de ecossistema financeiro é clara: se a empresa conseguir que os consumidores coloquem dinheiro em uma conta de propriedade da Amazon, eles acabarão gastando mais com a big tech. 

Fonte: Whow Inovação



Artigos Relacionados

BUDWEISER TROCA ANÚNCIO DO SUPER BOWL POR DOAÇÕES.

Pela primeira vez, desde 1983, a Budweiser não vai veicular um comercial no Super Bowl. Em vez disso, o grupo Anheuser-Busch, que também é dono da Ambev no Brasil, pretende doar o dinheiro que seria utilizado no […]

CONAR ACATA PEDIDO DE JORNAIS E PEDE SUSPENSÃO DE CAMPANHA PUBLICITÁRIA DO SANTANDER

O Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) pediu a suspensão de dois filmes da campanha publicitária “A Gente Banca”, do Santander, por considerar que as peças depreciavam jornais e bancas.
O pedido foi feito há cerca de dez dias pela ANJ (Associação Nacional dos Jornais) e acatado há cerca de uma semana. […]

Jornais impressos lidos por assinantes têm o maior impacto publicitário entre todos os meios

A concentração de publicidade online nãos mãos de Google e Facebook tem levado os jornais a investir na monetização por meio de diferentes formatos de conteúdo pago. Os publishers também não desistem de obter melhores resultados financeiros com anúncios digitais. Curiosamente, vem da […]