SEU CONSUMIDOR ESTÁ MESMO PRESTANDO ATENÇÃO NO SEU ANÚNCIO?

atencao-vendo-anuncios-trabalhando-telas-concentrado-unsplash-scaled-2

Numa avalanche sem precedentes de mídia digital, o consumidor é impactado por anúncios nos mais diversos formatos em todas as telas. Mas até onde esse bombardeio é efetivo? Quem nunca ficou contando os segundos para pular um comercial no YouTube ou fechou, sem olhar, uma imagem que saltou sobre o texto que se quer ler?

Em busca de oferecer experiências mais assertivas, o mercado publicitário está recorrendo à inteligência artificial e ao Big Data para solucionar problemas nos dois lados do balcão: o consumidor para de receber anúncios irrelevantes e as marcas atraem os clientes certos.

Para se ter uma ideia do tamanho do desafio de obter a atenção do cliente, apenas 4 em cada 100 anúncios na web retêm o usuário por dois segundos ou mais. É o que mostrou uma pesquisa de eyetracking.

Realizado pela Lumen Research, o estudo indicou que, de 100% das impressões registradas pelos sites vistos, apenas 54% estavam realmente na área de visibilidade. Do total, só 35% foram efetivamente percebidas e míseros 9% visualizados por mais de 1s. Quando a linha de corte da visão sobe para 2s o padrão de atenção cai para 4%.

A métrica consagrada pelo mercado publicitário é a de viewability. O critério definido pelo Interactive Advertising Bureau (IAB) e o Media Rating Council (MRC) considera que o anúncio chegou a um potencial consumidor quando pelo menos 50% da imagem ficou exposta a ele por um segundo ou mais.

No entanto, viewability não é garantia de que o público realmente viu o anúncio. Muitas vezes, lemos um texto sem repararmos de fato na peça que ficou ao lado por vários segundos.


A atenção do consumidor é a mercadoria 

Esses segundos do olhar de um potencial consumidor valem dinheiro e é preciso tornar esse investimento o mais eficiente possível. Daí o conceito de “economia da atenção”, desenvolvido em 1971 pelo economista e psicólogo americano  Herbert A. Simon, que estudava o excesso de informação disponível para as pessoas. O termo popularizado na década de 90 passou a tratar a atenção como mercadoria.

Na era do Marketing 5.0, os algoritmos que casam palavras-chave com o histórico de buscas do consumidor são insuficientes para garantir vantagem na disputa pela atenção. Tecnologias de inteligência artificial, machine learning e Big Data auxiliam os publicitários a tornar mais eficiente o processo.

A IA atua para “entender” o contexto em que a palavra-chave está para saber se faz sentido a colocação de um determinado assunto. Essa análise garante a brand safety, ou seja, a segurança de que a marca não será exibida com conteúdo indesejável, e também o brand suitability, que garante a inserção no contexto adequado.

Aqui na Seedtag, utilizamos IA para alavancar o poder do machine learning e fornecer uma compreensão quase humana do conteúdo, gerando alto nível de brand safety. Além disso, a inteligência artificial age para determinar o tipo de usuário daquele aparelho digital para que o formato do anúncio tenha maior chance de atrair o consumidor, sem afetar sua privacidade.

O software indica se a pessoa costuma prestar mais atenção em imagens, se é um leitor atento, se faz scroll do texto rapidamente ou ainda alguém que só assiste vídeos, entre outros. Com esses dados, o software seleciona a posição ideal para o anúncio com maior chance de ser notado, sem uso de cookies ou coleta de dados identificáveis do usuário: pode ser in-image, in-video, in-screen ou in-article.

Pesquisas com eyetracking comprovam que o uso de segmentação contextual eleva a eficiência da publicidade. Na campanha feita pela Seedtag para uma linha de produtos para recém-nascidos, posicionar o anúncio da marca em um artigo contextualizado pelo software levou os participantes a notarem o anúncio 3,7s mais rápido e ser 2,3 vezes mais efetivo em manter a atenção do que os banners comuns, elevando o tempo médio de foco de 1,5s para 3,5s.

A segmentação contextual dos anúncios também supre a ausência dos cookies. Mesmo com o anunciado adiamento da eliminação dos cookies de terceiros pelo Google Chrome, a medida será tomada. Safari e Firefox já os bloqueiam como regra, em parte como resposta à preocupação crescente das pessoas com a privacidade e com as novas leis de proteção de dados.

Nesse novo e ultracompetitivo mercado da atenção, o talento e a criatividade humanas são insubstituíveis, mas sem auxílio da tecnologia correta ficará cada vez mais complicado atingir boas taxas de conversão de leads. 

Fonte: artigo de Daniel Freixo, vice-presidente para a América Latina da Seedtag, publicado em Propmark.



Artigos Relacionados

CENP 20 anos. Um marco histórico no modelo brasileiro de publicidade

Por Alexis Pagliarini, Diretor Geral Fenapro. A revista Propaganda do mês de Abril traz como destaque os 20 anos do

FINANÇAS VERSUS SAÚDE MENTAL: LIÇÕES DE MONJA COEN PARA TEMPOS DE ISOLAMENTO

Impossível não se preocupar com finanças num momento tão conturbado como esse. Um levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de proteção ao crédito (SPC) mostra que, em janeiro, o número de inadimplentes no Brasil ultrapassava os 61 milhões de consumidores. Esse número, claro, provavelmente aumentou – e muito. […]

PANDEMIA REFORÇA CONCEITO DE SHOPPING DO FUTURO

Antes da pandemia os principais grupos de shoppings centers falavam muito em shopping do futuro. Isso quer dizer um único ambiente para compras, experimentação tecnológica, autocuidado, serviços, tudo integrado com áreas verdes.Mas durante a pandemia esse conceito ficou distante. Não dá para ter muitas pessoas convivendo em um espaço comum. E com tanta gente idealizando sobre o que será o novo normal, o que restou da proposta […]