NEM IFOOD, NEM MAGALU: NA GUERRA DOS APPS, UM SETOR CRESCE APÓS REABERTURA.

Imagem1-nem-ifood-nem-magalu
iFood: app mais baixado na categoria cresce menos que no ano passado (Germano Lüders/Exame)

Com a reabertura das lojas físicas, o comércio eletrônico dá sinais de desaceleração. A recuperação do tráfego de pessoas nas lojas e locais de entretenimento está estável, em cerca de 20% abaixo dos níveis pré-pandemia nas últimas três semanas, segundo levantamento feito pelo banco Goldman Sachs.


É hora de seguir investindo em ações de varejo, finanças, construção, educação? Monte a melhor estratégia com os especialistas da EXAME Research.

Um dos indicadores é o número de downloads dos aplicativos das principais varejistas. Após um pico nos downloads dos aplicativos de diferentes lojas em junho – uma das grandes estratégias das empresas na fidelização dos clientes – nas últimas duas semanas o número de downloads afrouxou para a menor alta do ano, de 15%. Rappi, iFood, e Mercado Livre viram os números de novos downloads de seus aplicativos encolherem nas últimas semanas, segundo o Goldman Sachs, com crescimento menor do que no ano passado. 

Há um setor, no entanto, que continua fortalecido na disputa por um espaço no celular de seus consumidores: o de roupas, calçados e acessórios. Apps do segmento continuam sendo baixados quase três vezes mais do que no ano passado, com alta de 193% de 12 a 25 de outubro. O mais baixado nessa categoria é o da C&A, seguido por Renner e Centauro. 

Os aplicativos de beleza também continuam em alta, embora não tão aquecidos quanto há alguns meses. Nas últimas duas semanas, apps de empresas como Natura, Boticário e Raia Drogasil viram alta de 124%. O pico foi em setembro, com alta de 185% nos downloads. O Boticário é o aplicativo mais baixado nesse segmento, com alta de 713% no último período analisado.


Supermercados e delivery

Os aplicativos de mercados e delivery são os com a maior queda no número de novos downloads em relação ao mesmo período do ano passado, com queda de 30% nas últimas duas semanas. Antes da pandemia, a alta era de 40% no número de downloads. 

De acordo com o levantamento do Goldman Sachs, o iFood cresce menos do que no ano passado – a diferença é de 43% de 19 a 25 de outubro em comparação com o mesmo período do ano passado. O aplicativo de delivery brasileiro, no entanto, continua sendo o mais baixado no ano, com downloads maiores do que a soma de todos os concorrentes. O Rappi teve queda de 9% e o Carrefour, de 28%. 

James Delivery, do Grupo Pão de Açúcar, e Supermercado Now, comprado este ano pela B2W, continuam em alta de 43% e 685%, respectivamente. O fato de serem aplicativos mais novos, principalmente o Now, pode explicar a alta constante.

Os aplicativos da B2W, controlado pela Lojas Americanas, e do Mercado Livre, também desaceleraram nas últimas semanas. Depois de um pico de aumento de 334% nos downloads por conta da semana promocional Prime Week, o app da Amazon no Brasil está com alta de 194% nos downloads. Mesmo com essa forte alta, o aplicativo da Amazon ainda está em sétimo no número de downloads esse ano. Em números absolutos, os três mais baixados são Americanas, Magazine Luiza e Mercado Livre.

Fonte: Exame



Artigos Relacionados

ATRAÇÃO DE TALENTOS: A GRANDE QUESTÃO.

A atração e retenção de talentos se impõe como maior desafio das agências em diversas instâncias: na adoção do trabalho híbrido, nas concorrências e no próprio modelo de negócios dessas empresas. No segundo debate entre lideranças de agências nesta quarta-feira, 6, Valéria Barone, managing director da Gut São Paulo e Fernando […]

ROBÔ-COOLER DA HEINEKEN CHEGA AO BRASIL DEPOIS DE SUCESSO NOS EUA.

A Heineken traz ao Brasil o robô B.O.T (Beer Outdoor Transporter), sucesso nos Estados Unidos desde que foi lançado em junho deste ano. Desenvolvido para ser uma solução inovadora durante o verão, o robô é capaz de conduzir de forma autônoma um cooler com até 12 latas de cerveja. […]

A ECONOMIA BRASILEIRA TERÁ UMA FORTE RECUPERAÇÃO EM 2021?

Diferente do que muitos pensam, 2020 não é um ano para ser esquecido. Ao contrário, ele foi o ano mais importante da vida de muitos de nós. Com tantos desafios e incertezas, esse ano nos impulsionou a sair do óbvio para buscarmos novas soluções e vivermos de […]