CARNAVAL: FESTAS MENORES PREVALECERÃO APÓS VACINA

CARNAVAL-FESTAS-MENORES-PREVALECERAO-APOS-VACINA
**Crédito da imagem de topo: Cristiano – Babini/iStock

Uma pesquisa realizada pela MindMiners à pedido da Estalo, agência de marketing 360 que trabalha com carnaval de rua há uma década, indica que 49% dos brasileiros darão preferência a festas e blocos menores no Carnaval, mesmo após uma vacina para a Covid-19. Além disso, a maioria é favor do cancelamento da festa nacional em 2021.

O estudo quantitativo e online ouviu mil pessoas a partir de 18 anos de idade nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Recife/Olinda, Salvador e Belo Horizonte. Dessas, 67% são favoráveis à suspensão do carnaval no próximo ano. A predileção pelo cancelamento é maior entre os mais velhos: 69% dos entrevistados entre 25 e 44 anos, 72% dos acima de 45 anos. Dos jovens entre 28 e 24 anos, 25% acreditam que o evento deve ser realizado mais para frente em 2021. Caso o adiamento da data ocorra, cerca de 31%´só participarão das comemorações caso a vacina esteja disponível e 50% não pretendem comemorar.

Um dos questionamentos levantados pela pesquisa envolveu a percepção do público sobre marcas que anunciam no Carnaval estarem presentes nas comemorações da festa em fevereiro de 2021. Para 28% do público, esse ato implicaria em uma imagem negativa para o anunciante. Se a festa for adiada, a maioria afirma ser indiferente ao anúncio.

Para Maíra Holtz, diretora comercial da Estalo, diante do momento atual e das incertezas sobre a realização da festa em 2021, a comunicação das marcas em relação ao Carnaval deve ser otimista, tendo em vista que a data é um momento de alívio, renovação das energias e resgate da alegria diante das privações de experiências que o mundo vive e viveu nestes últimos meses. No entanto, quando ele voltar a acontecer em condições normais, após a vacina, Holtz sugere que as marcas devem preparar um evento histórico. “O carnaval de 1919, logo após a gripe espanhola, foi o maior e mais alegre Carnaval que o Rio de Janeiro já viu: uma liberação de tensões represadas que revolucionou os costumes dos foliões. Acho que vamos ver algo parecido acontecer aqui”, lembra.

Predileção para boa parte dos entrevistados, a executiva cita que as festas menores oferecem oportunidades de ações mais qualificadas, com mais envolvimento do público. O retorno, nesse caso, é mais qualitativo. Os resultados costumam gerar mais tempo de interação e mais repercussão em redes sociais. Em contraste, as festas e blocos maiores oferecem mais oportunidade às marcas, como patrocínio do bloco, ações especiais ou de conteúdo com as bandas, artistas e personalidades influentes presentes, ações de ativação nos ensaios ou no desfile e outras. Esses tipos de investimento geram maior visibilidade no espaço e onde o evento for transmitido (TV ou redes sociais) e a possibilidade de impactar um maior número de pessoas concentrado em um mesmo local.

Há, ainda, a possibilidade de que a festa nacional, assim como a de São João, ocorra via transmissões ao vivo de plataformas, artistas e emissoras de televisão. Nesse caso, as oportunidades para anunciantes vão desde projetos proprietários até ações pontuais e merchandising de produtos em transmissões de terceiros. A exposição de marca pode ser convertida em vendas por live shopping e repercussão via imprensa, redes sociais e percepção positiva já que o anunciante age como agente viabilizador de projetos culturais.

No entanto, a agência acredita que até o período tradicional do carnaval, já seja possível realizar eventos controlados com segurança. A própria Estalo já desenvolve formatos alternativos pensando nessa possibilidade, que pretende apresentar ao mercado em breve. “O carnaval é a festa mais popular do País. A associação das marcas com a data gera forte conexão emocional: a marca ganha a percepção de uma apoiadora dessa alegria. Passa a fazer parte de boas lembranças da vida daquele consumidor, é eternizada em fotos e posts que serão revistos ao longo da sua história. O carnaval fortalece atributos de brasilidade, jovialidade, festa, energia, alegria, regionalismo e apoio a cultura nacional. Além, é claro, de ser um dos grandes momentos de consumo para alguns segmentos de mercado como o de bebidas”, afirma a executiva.

Fonte: Meio e Mensagem



Artigos Relacionados

EUA: 30% DOS ANUNCIANTES PENSAM EM TROCAR DE AGÊNCIA.

Quase um terço dos anunciantes dos Estados Unidos pensa em trocar de agência de publicidade nos próximos seis meses. Nove entre cada dez marcas avaliam que a ‘química’ com a agência é o elemento fundamental para firmar uma parceria de publicidade […]

NEOENERGIA É A PRIMEIRA EMPRESA NO PAÍS A PATROCINAR EXCLUSIVAMENTE A SELEÇÃO BRASILEIRA FEMININA DE FUTEBOL.

A Neoenergia assinou um contrato histórico com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e se tornou a primeira empresa no País a patrocinar exclusivamente a Seleção […]

POR QUE O MAGALU COMPROU O JOVEM NERD E PARA ONDE VAI A VAREJISTA.

A varejista Magazine Luiza anunciou nesta quarta-feira, 14, a aquisição da empresa de conteúdo focado em cultura pop Jovem Nerd. Fundado em 2002, por Alexandre Ottoni e Deive Pazos, o Jovem Nerd tem mais de […]