CARNAVAL: FESTAS MENORES PREVALECERÃO APÓS VACINA

CARNAVAL-FESTAS-MENORES-PREVALECERAO-APOS-VACINA
**Crédito da imagem de topo: Cristiano – Babini/iStock

Uma pesquisa realizada pela MindMiners à pedido da Estalo, agência de marketing 360 que trabalha com carnaval de rua há uma década, indica que 49% dos brasileiros darão preferência a festas e blocos menores no Carnaval, mesmo após uma vacina para a Covid-19. Além disso, a maioria é favor do cancelamento da festa nacional em 2021.

O estudo quantitativo e online ouviu mil pessoas a partir de 18 anos de idade nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Recife/Olinda, Salvador e Belo Horizonte. Dessas, 67% são favoráveis à suspensão do carnaval no próximo ano. A predileção pelo cancelamento é maior entre os mais velhos: 69% dos entrevistados entre 25 e 44 anos, 72% dos acima de 45 anos. Dos jovens entre 28 e 24 anos, 25% acreditam que o evento deve ser realizado mais para frente em 2021. Caso o adiamento da data ocorra, cerca de 31%´só participarão das comemorações caso a vacina esteja disponível e 50% não pretendem comemorar.

Um dos questionamentos levantados pela pesquisa envolveu a percepção do público sobre marcas que anunciam no Carnaval estarem presentes nas comemorações da festa em fevereiro de 2021. Para 28% do público, esse ato implicaria em uma imagem negativa para o anunciante. Se a festa for adiada, a maioria afirma ser indiferente ao anúncio.

Para Maíra Holtz, diretora comercial da Estalo, diante do momento atual e das incertezas sobre a realização da festa em 2021, a comunicação das marcas em relação ao Carnaval deve ser otimista, tendo em vista que a data é um momento de alívio, renovação das energias e resgate da alegria diante das privações de experiências que o mundo vive e viveu nestes últimos meses. No entanto, quando ele voltar a acontecer em condições normais, após a vacina, Holtz sugere que as marcas devem preparar um evento histórico. “O carnaval de 1919, logo após a gripe espanhola, foi o maior e mais alegre Carnaval que o Rio de Janeiro já viu: uma liberação de tensões represadas que revolucionou os costumes dos foliões. Acho que vamos ver algo parecido acontecer aqui”, lembra.

Predileção para boa parte dos entrevistados, a executiva cita que as festas menores oferecem oportunidades de ações mais qualificadas, com mais envolvimento do público. O retorno, nesse caso, é mais qualitativo. Os resultados costumam gerar mais tempo de interação e mais repercussão em redes sociais. Em contraste, as festas e blocos maiores oferecem mais oportunidade às marcas, como patrocínio do bloco, ações especiais ou de conteúdo com as bandas, artistas e personalidades influentes presentes, ações de ativação nos ensaios ou no desfile e outras. Esses tipos de investimento geram maior visibilidade no espaço e onde o evento for transmitido (TV ou redes sociais) e a possibilidade de impactar um maior número de pessoas concentrado em um mesmo local.

Há, ainda, a possibilidade de que a festa nacional, assim como a de São João, ocorra via transmissões ao vivo de plataformas, artistas e emissoras de televisão. Nesse caso, as oportunidades para anunciantes vão desde projetos proprietários até ações pontuais e merchandising de produtos em transmissões de terceiros. A exposição de marca pode ser convertida em vendas por live shopping e repercussão via imprensa, redes sociais e percepção positiva já que o anunciante age como agente viabilizador de projetos culturais.

No entanto, a agência acredita que até o período tradicional do carnaval, já seja possível realizar eventos controlados com segurança. A própria Estalo já desenvolve formatos alternativos pensando nessa possibilidade, que pretende apresentar ao mercado em breve. “O carnaval é a festa mais popular do País. A associação das marcas com a data gera forte conexão emocional: a marca ganha a percepção de uma apoiadora dessa alegria. Passa a fazer parte de boas lembranças da vida daquele consumidor, é eternizada em fotos e posts que serão revistos ao longo da sua história. O carnaval fortalece atributos de brasilidade, jovialidade, festa, energia, alegria, regionalismo e apoio a cultura nacional. Além, é claro, de ser um dos grandes momentos de consumo para alguns segmentos de mercado como o de bebidas”, afirma a executiva.

Fonte: Meio e Mensagem



Artigos Relacionados

FENAPRO E ABAP DEFENDEM VALORIZAÇÃO DA ATIVIDADE PUBLICITÁRIA

A Fenapro (Federação Nacional das Agências de Propaganda), em conjunto com a Abap (Associação Brasileira das Agências de Propaganda), e com o apoio dos Sinapros […]

LINKEDIN DIVULGA QUARTA EDIÇÃO DA LISTA DE TOP VOICES

O LinkedIn acaba de divulgar a quarta edição da lista de Top Voices do Brasil. Os nomes – divididos entre Top Voices e Top Influencers – tiveram suas atividades analisadas […]

POR QUE QUEREMOS COMER MAIS DURANTE A QUARENTENA?

Desde março, em razão da pandemia de COVID-19, estamos vivendo em quarentena, a fim de conter a transmissão do vírus praticando o isolamento social. Entretanto, tempos incertos podem ocasionar o aumento da ansiedade, do estresse e do medo. Em meio a esse cenário, surge também a vontade de comer mais, especialmente alimentos calóricos, repletos de gordura e açúcar. Esse sentimento não é incomum. […]