COVID-19: COMO A PANDEMIA ALTEROU O FLUXO DE COMPRAS ONLINE?

A pandemia do novo coronavírus  causou modificações significativas em todo o planeta: além de ter infelizmente vitimado milhares de pessoas, aumentou o número de demissões, fez com que trabalhar de casa se tornasse uma econômica opção para diversas empresas e mudou os hábitos de consumo e de higiene.

O isolamento social, recomendação expressa da Organização Mundial de Saúde (OMS), colaborou também para o aumento das compras em ambiente virtual: de acordo com dados divulgados pelo E-commerce Brasil, 61% dos consumidores aumentaram o volume de compras online desde o início da pandemia.

Segundo o estudo “Novos hábitos digitais em tempos de Covid-19”, feito pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) e pela Toluna, a crise do novo coronavírus fez com que varejistas buscassem novas maneiras de manter os negócios em operação.

Além do aumento do consumo do brasileiro, houve o aumento na quantidade de lojas virtuais. O estudo afirma que 61% dos consumidores que fizeram compras online durante a pandemia aumentaram o volume de compras. Em 46% dos casos, o aumento de compras foi maior do que 50%.

O sistema de delivery também recebeu atenção: a compra de alimentos e bebidas para consumo imediato cresceu para 79% dos entrevistados. Trata-se de uma modificação de hábitos realmente significativa.


Aumento da demanda x aumento de prazos

Muitas lojas receberam mais pedidos, o que fez com que elas tivessem que rever a sua logística. Se a situação era um pouco caótica no início do isolamento social, aparentemente as empresas aprenderam como lidar com a nova demanda:

  • Cerca de 80% dos clientes estão satisfeitos;
  • 57% deles consideram aceitável que os prazos de entrega tenham aumentado.

Para depois da quarentena, a tendência é que o mercado online continue forte. Dos entrevistados, 70% afirmaram que pretendem continuar a comprar mais em ambiente online, em sites e aplicativos.

Para os empreendedores, comerciantes e autônomos, fica claro que é preciso investir mais no ambiente virtual, seja através das redes sociais, dos aplicativos de delivery ou dos sites mais complexos. A compra via internet é uma tendência que veio para ficar.


Quais foram os produtos mais comprados durante a quarentena?

vendas-online-imagem-1

A revista Exame publicou no início de maio, informações sobre o desempenho de diversos setores do e-commerce durante as primeiras semanas de abril. A pesquisa original foi realizada pela Criteo, empresa de tecnologia voltada para profissionais do setor de marketing.

A pesquisa em questão foi feita através da análise de bancos de dados de 80 países, de mais de 20 mil plataformas de e-commerce e de dois bilhões de compradores: trata-se, portanto, de um estudo bastante aprofundado.

Após o início da quarentena oficial instituída em São Paulo, no dia 24 de março, houve aumento significativo na comercialização de snacks, como biscoitos, balas, salgadinhos e chocolates. A categoria teve aumento de 722% durante a segunda semana de abril.

O fechamento de espaços físicos, como bares, restaurantes e similares, fez com que as vendas online de supermercado disparassem: o setor, também durante a segunda semana de abril, teve alta de 233% em relação ao mesmo período do ano passado.


Eletrônicos, dispositivos fitness e produtos para proteção individual

comercio-online

Em movimento que reflete os impactos do COVID-19 no mercado de trabalho, o aumento de remessas de computadores pode ser um grande indicativo do mercado.

comércio online de televisores teve alta de 191%, mas o grande vencedor da categoria de eletrônicos foi outro: os jogos eletrônicos tiveram alta de 315%. A venda de notebooks, por sua vez, aumentou 169%, enquanto a comercialização de roteadores teve aumento de 193%.

O aumento de produtos voltados para a prática de exercícios físicos indoor, como a yoga e o Pilates, também foi significativo: artigos dessas áreas tiveram crescimento de 387%. As pulseiras inteligentes, que contabilizam calorias, fazem a contagem de passos e auxiliam no monitoramento cardíaco, cresceram 513%.

ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), por fim, trouxe os seguintes dados:

  • as vendas de álcool em gel cresceram quase 5000% entre fevereiro e março, na comparação com o mesmo período do ano passado;
  • as vendas de inaladores subiram 900%;
  • termômetros tiveram aumento de 843%;
  • produtos para higiene íntima tiveram as vendas aumentadas em 98%;
  • luvas cirúrgicas, que têm sido usadas para fazer compras presencialmente em supermercados, tiveram aumento de vendas de 118%.

Fonte: cartoes.com.br



Artigos Relacionados

AlmapBBDO é a Agência do Ano no Cannes Lions 2016

Brasil termina festival com um total de 90 Leões   Com 21 Leões conquistados no Cannes Lions 2016, a AlmapBBDO

PANDEMIA REFORÇA CONCEITO DE SHOPPING DO FUTURO

Antes da pandemia os principais grupos de shoppings centers falavam muito em shopping do futuro. Isso quer dizer um único ambiente para compras, experimentação tecnológica, autocuidado, serviços, tudo integrado com áreas verdes.Mas durante a pandemia esse conceito ficou distante. Não dá para ter muitas pessoas convivendo em um espaço comum. E com tanta gente idealizando sobre o que será o novo normal, o que restou da proposta […]

ENTENDER A JORNADA DE CONSUMO DOS CLIENTES PODE ACELERAR A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

As mudanças na jornada de consumo formam um dos principais fatores que impulsionam a aposta das empresas na transformação digital. Isso porque, cada vez mais, os clientes e […]