BUSCAS POR “EXCLUIR FACEBOOK” CRESCEM 250% APÓS FILME “O DILEMA DAS REDES”

BUSCAS POR “EXCLUIR FACEBOOK” CRESCEM 250% APÓS FILME “O DILEMA DAS REDES”

Se você ainda não assistiu, muito provavelmente pelo menos já ouviu falar do documentário The Social Dilemma 2020 (“O Dilema das Redes”), lançado pela Netflix no dia 9 de setembro. No filme dirigido por Jeff Orlowski, especialistas em tecnologia e profissionais da área discutem sobre os impactos devastadores que o uso exacerbado das redes sociais pode ter sobre nossa vida, sociedade e democracia.

redes-sociais-facebook-imagem-1
“O dilema das redes”: documentário lançado pela Netflix em 9 de setembro mostra como as redes sociais estão prejudicando nossas relações.  (Netflix/Reprodução)

Ironicamente, os usuários estão utilizando as próprias redes sociais para comentar o documentário que aconselha a redução do uso dessas tecnologias. três semanas após o lançamento do filme, um levantamento feito pela Decode, empresa de análise e pesquisa em big data, mostra que buscas por “Desativar / excluir Facebook” cresceram 250% no Google entre 9 e 29 de setembro. Os termos “excluir Instagram“; “desativar notificações” e “desativar temporariamente” também estão sendo mais procurados pelos brasileiros: 100%, 110% e 120%, respectivamente.

Não é possível afirmar uma relação direta entre os termos pesquisados e o documentário, mas na semana seguinte ao seu lançamento, as buscas pelo filme no Google cresceram 200%, tendo o maior volume no domingo dia 20. Embora os números demonstrem que o filme chamou a atenção das pessoas, os comentários nas próprias redes sociais, também analisados pela Decode, revelam que o conteúdo não refletiu numa mudança prática. “Tentamos levantar dados que possam indicar novas tendências de comportamento e há uma crescente procura por formas de desativar perfis nas redes. Se levarmos em conta que a própria Netflix se beneficia dos mesmos algoritmos sociais para investir em seus produtos, essa onda também pode estar tendo efeitos previsíveis e desejáveis”, diz Lucas Fontelles, analista da Decode.

Além das buscas no Google, no Twitter, 56% das pessoas comentaram que não vão reduzir o uso de redes sociais e 45% publicaram que têm vontade diminuir a frequência nessas plataformas.

redes-sociais-facebook-imagem-2

Fonte: Exame



Artigos Relacionados

VAREJO MINEIRO ESTÁ OTIMISTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2021.

Apesar do momento vivenciado por toda a sociedade, em virtude da pandemia do novo coronavírus, o início do ano sempre é marcado pelas boas expectativas e planos para os próximos meses. No comércio varejista, o primeiro semestre de 2021 impacta […]

E-COMMERCE: COMO É A RELAÇÃO DE COMPETITIVIDADE NO AMBIENTE ONLINE?

Imagine a seguinte situação: você está andando na rua, logo depois do almoço, voltando ao escritório. Em São Paulo, 32 graus. O asfalto quente esquenta seus sapatos, e você sente uma gota de suor escorrendo no meio da testa. Você daria a vida por um ar-condicionado ou um […]

ADOBE LANÇA VERSÃO 3D DO CREATIVE CLOUD SUITE, INCLUINDO ‘3D PHOTOSHOP’.

A Adobe lançou uma versão da Creative Cloud Suite com o enfoque em trabalhos com animação 3D. Se as animações tridimensionais digitais se tornaram muito mais populares nos últimos anos, os novos softwares da Adobe prometem dar um […]